terça-feira, 17 de março de 2009

NAUFRAGO


O ser humano é o único animal que nasce sem saber nadar,
Uns aprendem com facilidade,
Outros criam fobias que não conseguem superar...
Aprendi a ser uma exímia nadadora,
Em águas calmas ou revoltas, não temo arriscar...
E com muita persistência aprendi mesmo a navegar...
No meio de uma tempestade lá me consigo aguentar.
Sempre que avisto um naufrago, sem me deter a pensar,
Nado, para o tentar ajudar.
Peixes também ajudei a de águas poluídas se afastar...
Quando em mar chão, ando numa de recrear,
Logo aparece algo para me querer afundar.
Há tempo sigo um naufrago,
Que não me deixa aproximar,
Mas de tudo farei para o conseguir salvar.
Tenho sido bem sucedida em tudo que me proponho,
Não vou perder a força, nem a cabeça baixar.
Por este naufrago, que tanto amo,
Depois de muito, muito lutar,
Estou disposta a baixar os braços
E ir ao fundo para o acompanhar...


(Marie)

5 comentários:

Conceição Duarte disse...

Marie, o importante é sempre tentarmos fazer o melhor! Pior, é nunca aprender, nunca querer!
Lindo!
Um beijo e boa semana à vocÊ

CON

ellen disse...

que linnnnndo também este MARIE :))) és uma mulher com M grande :)

Não percebo porque escondeste tanto tempo esta tua linda faceta de escrita !!! Parabéns mais uma vez.

Beijo grande amiguinha

já levei 3 selos teus ehehehe

Jorge C. Reis disse...

Cuidado ! Valerá a pena o sacrifício ? bj

Conceição Duarte disse...

Marie minha lindinha!
Distraídíssima! Rssrsr mas tudo bem, acabou tudo em pizza! rsrsrs bjus e obrigada pelo carinho, CON

Gabriela disse...

Marie,

Desculpe-me a ousadia! "Descobria-a" atavés do blog da Ellen, minha amiga, que também já me incentivou a criar um!
Este seu poema comoveu-me imenso porque, num passado recente, também eu "nadei" muito para não deixar afundar um náufrago muito querido. E valeu a pena!!!
Força e um bem haja.

Gabriela