sexta-feira, 24 de abril de 2009

RECRIAR A VIDA


Fazendo parte deste programa, (para pessoas com mais de 50), tenho tido oportunidade de efectuar diversos passeios de âmbito cultural, fazendo lembrar as viagens de estudo dos tempos da adolescência...
Os olhos são os mesmos, mas a forma de ver as coisas são totalmente diferentes!

Esta semana uma parte  da nossa deslocação foi às Ruínas de Conimbriga, vasta zona arqueológica que evidencia ter sido habitada pelos Romanos desde o Séc. IX a.C. até ao Séc. VII-VIII e que foi consagrada como monumento nacional em 1910.

Enquanto que para a maioria dos jovens, o local não passa de um amontoado de pedras, a vivência permite visualizar um local edificado e o pormenor dos desenhos do chão das casas, feitos com pequenas pedras coloridas, parecem ricas tapeçarias manufacturadas...

No Museu local estão expostas peças ali encontradas, em metal, pedra, barro, e moedas enquadradas com painéis que mostram os artesãos a utilizá-las.

Algumas das fotos que fiz, vou publicá-las em MINHAS IMAGENS .

(Marie)

6 comentários:

ellen disse...

O que dizes é muito verdade Marie! Só começamos a ver com outros olhos a beleza feita pela mão do homem ou da natureza depois dos 45porque mais cedo, é uma seca rssss

Conceição Duarte disse...

O tempo, nos ensina e amacia tudo!
rsrsrs

Lindo, bjus, CON

Gabriela disse...

Por acaso, já fui várias vezes a Conímbriga, com diferentes idades e sempre me pus a imaginar como seria a cidade MESMO!
Mas eu gosto bastante de arqueologia... Se não fosse a falta de saídas profissionais, teria seguido o ramo.
Bj grande e bom fds.

Mírian Mondon disse...

Oi Marie, obrigada pelas palavras amaveis lá no Café, e pelo parabens, com certeza meu aniversario foi muito mais especial por causa do carinho de voces!

Abraços

Daniel Silva (Lobinho) disse...

O meu selo também está lá. É so copiar.

também penso que para as crianças e jovens as ruínas de Conímbriga nao passa de um amontoado de pedras. Há muitas coisas que se vêem desde muito cedo mas nao ha dados para apreciar como numa idade adulta.

Blog do Beagle disse...

Gostaria de conhecer a terra dos meus antepassdos... quem sabe, um dia? Bjkª.Elza